Pesquisar este blog

sábado, 23 de junho de 2007


Antes SÓ do que BEM acompanhado

A escolha é, antes de mais nada, o combustível essencial ao veículo o qual nos conduzirá a nossa felicidade, por isso não conseguirei, nesse artigo, esgotar as possibilidades de argumentação em relação ao submundo da escolha, porque dentro dela há vários seguimentos nessa dimensão que é a vida humana, sendo assim, promover solidão não é minha proposta aqui e sim dizer ao meu leitor que suas escolhas aparentemente perfeitas poderão brotar raízes amargas no fim.
És ai o maior problema “inter” - pessoal e por que não intra, se observarmos ao nosso redor, há mais reclamações do que gozo, muitos choram, outros se trancam em quartos e dentro de si mesmos, já outros disfarçam e compensam sua falsa alegria em analgésicos, estimulantes e psicotrópicos, tudo isso por culpa da nossa escolha.
Geralmente estamos escolhendo e mal. Escolhemos uma roupa para nos sentirmos melhor, escolhemos amigos porque eles se identificam conosco, escolhemos ser livres para nos sentirmos orgulhosos, escolhemos o emprego, não pela necessidade e dom, mas para manter vivo o ego já falecido das dificuldades econômicas da vida, escolhemos um Deus que se identifique conosco e atenda a todos os nossos caprichos, escolhemos alguém para caminhar de mãos dadas conosco para satisfazer o padrão exigido pela cultura local ou mesmo, porque essa pessoa cabe dentro do curriculum vitae já traçado no nosso desejoso e egoístico sonho.
Para manter vivo o padrão estabelecido pela cultura, passamos a escolher mal através de dois fatores: o olhar e o orgulho.
Primeiro quero explicar o que é padrão e penso nem precisar, está muito óbvio. Há uma necessidade em pensar: “aquilo que foi bom para o outro pode ser bom para mim”, quando as pessoas através desse olhar não enxergam o abismo na frente, por outro lado as experiências vivenciadas por outros nem sempre me trarão combustível para fazer meu sonho andar, uma vez que ninguém pensa igual, ninguém chora, ri, sacia-se, nasce, morre, beija e ama igual, sendo assim, as experiências que outros possam acrescentar em nós, podem até me dar um alerta para as pedras soltas no caminho, mas não necessariamente nos deixará prontos para ultrapassar todas as barreiras desse caminho. (Provérbios 16.25)
Nessa direção, nosso olhar geralmente se debruça na janela do desejo, que por sua vez é traiçoeiro. Ora, o traiçoeiro não avisa quando vai dar o bote, muitas vezes aquele que menos esperamos nos entrega ao cárcere, porque o desejo é um veículo o qual transporta apenas um passageiro: a emoção e geralmente o nosso olhar é desejoso e por tabela ansioso, quando a ansiedade gera a busca e a busca gera a conquista e da conquista nasce o orgulho e de orgulho alimentamos nosso ego. É para satisfazer nosso ego que buscamos olhar no horizonte alguém com um curriculum vitae tal qual se enquadre dentro do que estabelecemos como padrão, porque o padrão já foi imposto tão sorrateiramente sem percebermos o mal injetado lá atrás nesse olhar torto e desejoso, quando antes deveria ser reflexivo, vagaroso e oblíquo.
Só é cego quem não quer enxergar, só escolhemos amar alguém se esse amor trouxer em si um curriculum compatível com nossas exigências, caso contrário não serve, não alimenta, não faz feliz nem faz meu sonho andar, muitas vezes olhamos desejosos a procura desse amor e assassinamos ele em detrimento de um padrão cultural ou um padrão já estabelecido por nós: negro, branco, alto, baixo, rico, pobre, experiente ou iniciante, novo ou mais velho, sério ou brincalhão... Nosso olhar, fomentado pelo nosso orgulho, combustível para alimentar o nosso ego é o medidor de como vai ser a qualidade desse caminho o qual iremos trafegar de mãos dadas, olhamos com fita métrica o amor tão desejado, por isso tenha certeza, se você usou fita métrica para escolher alguém para essa caminhada, antes você estivesse só do que bem acompanhado, porque teimamos em fazer o caminho oposto, o caminho de pedras parece árduo demais, construir deveria ser a ordem, apanhar as pedras do caminho e construir o castelo para sonhar dentro dele deveria ser o desejo, mas antes muitos querem pular as pedras, porque no caminho há beleza, há charme, há poesia, há beijos calorosos, há sonhos e ambições, há gozo, há soluções e tudo isso ansiamos para sempre, mas quando no fim do caminho encontramos o castelo tão desejado não conseguimos entrar nele, pois as pedras as quais pulamos no caminho se acumularam na construção do castelo de tal forma que se torna insuportável olhar para o sonho sonhado com os olhos do desejo, por isso a separação é inevitável, porque as rosas também têm espinhos e só enxergamos tarde demais. (Eclesiastes 3)
Porque temos preguiça de construir? Queremos tudo pronto, como se Deus fosse obrigado a nos entregar a casa, a mobília, a empregada, o emprego e o amor tudo num pacote e a cada dia acordarmos isentos de qualquer trabalho, quando esquecemos que amar requer esforço, braçadas de paciência e tolerância, uma dose de hora extra nas noites de rotina, uma dedicação a mais nas folgas e feriados, pois o castelo do amor não tem como salário a auto - realização, e se tiver, antes você estivesse só, porque para estar bem acompanhado mesmo, não basta só bater no peito e dizer: tenho o amor que queria e desejei, mas antes é preciso dizer ao outro: temos uma estrada cheia de pedras para caminhar, vamos colher as pedras juntos? (1ª. Coríntios 13)
Quem ainda usa fita métrica no olhar de suas escolhas, pode até pular de felicidade, pode andar de mãos dadas pelas ruas, rosto ao vento, declarando -se sortudo por ter encontrado a pessoa ideal, pode lembra-se de agradecer a Deus, achando que Ele deu esse presente a você, porém saiba, Ele não nos dá um presente, mas um esboço para transformamos em obra de arte, para lapidarmos ao gosto dEle, pois se for ao nosso gosto, ficará sem brilho esse amor declamado nas cartas e buquês no dia dos namorados, ficará ofuscado quando as pedras do castelo começarem a desabar na primeira tempestade, porque nossa preguiça diária não sente vontade de aprender a consertar o telhado desse castelo cheio de goteiras, a vontade dessa nossa preguiça é somente mudar de castelo, acreditando que ao mudar estamos resolvendo o problema, quando na verdade estamos apenas transferindo mais pedras para o novo castelo. (Mateus 19.6)
É melhor estar só do que bem acompanhado, quando parecemos com orgulhoso Golias diante do pequeno Davi se achando o vencedor, na ilusão de que relacionamento é um mar de rosas e não é, se não houver renúncias e se juntos não buscarem soluções dia a pós dia, nem mesmo aquele corpo belo, aqueles olhos azuis e beijo ardente segurará esse relacionamento. Às vezes não deixamos Deus escolher por nós, não deixamos Deus opinar, nos achamos maduros demais e quando o olhar bate: é aquilo e pronto! Igual a Sansão que tinha n possibilidades de ser feliz se não olhasse sozinho, (Juízes 14) só por que se achava forte e maduro, quando na verdade somos sempre fracos diante das inúmeras armadilhas que um corpo ou a vida podem oferecer, somos fracos e só nos tornamos fortes a cada pedra cimentada desse castelo construído no dia a dia e no além de nós, só ficamos fortes quando diante das tempestades nos abraçamos e choramos juntos os problemas, quando a solução já nasceu na união calorosa dessas lágrimas, no olhar sincero entre os dois, no abraço forte, mesmo sem forças, no beijo ardente de eternos namorados que as pedras começarão a se encaixar de volta, o telhado será revestido com uma telha mais firme, caso contrário, antes estivéssemos a sós do que bem acompanhado, pois sem isso a dor final é mais dolorosa. (Eclesiastes 11.1)
Sendo assim, se for apenas para olhar, medir com nossa fita padrão e achar que tudo estar bem, que já achamos a pessoa certa sem aprendermos juntos a apanhar as pedras do caminho, é melhor estar só do que bem acompanhado. Se for para explodir de desejo diante um corpo e perfil num curriculum exigido por você que o seu ego fomentou por muitos anos ter em mãos, é melhor estar só do que bem acompanhado, pelo menos sozinho, quando a tempestade chegar será mais fácil se proteger, a sua fita métrica não ultrapassará limites, juntos já não há fitas métricas, por que as medidas não acontecem, cada um constrói a paciente busca do outro, com fitas há padrão nessa busca, tornando imperfeito o castelo sonhado, sem fitas ambos regaçarão as mangas para medir os momentos, passando a amar as diferenças a partir da construção de nós e do outro e quando a tempestade e a rotina vierem os braços estarão fortes, um apoiando o outro, mas se houver fitas, cada um apontará as falhas do outro sem trabalhar, será um eterno resmungo de um castelo fadado à rotina e ao abandono, por isso, aprenda a escolher, a olhar e refletir as suas escolhas junto com Deus, o maior arquiteto do sentimento humano, não ame o padrão, busque construir a cada dia o outro em você ou melhor será estar só do que bem acompanhado.


Até à próxima!
André Silva

16 comentários:

MICHELE disse...

ANDRE GOSTO DE LER COM CALMA E ATENÇAO POR ISSO NAO VOU LER AGORA PORQU ESTA TARDE E TENHO QUE DORMIR PRA ACORDAR DAQUI A POUCO.E QUANDO COMEÇO LER NAO QUERO PARAR. MAIS SEI QUE VAI ME AJUDAR MUITO ESSES TEXTOS.OBRIGADO IRMAO

Osvaldo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Osvaldo disse...

André essas palavras,além do que eu ja pensava me fizeram pensar mais ainda,pois estou certo que o melhor é esperar para dar o passo junto com Deus,pois estar com alguém pelo simples fato de ficar bem perante a sociedade ou o nosso desejo da pessoa ideal estar do nosso ldo ser realizado,isso nada vale sem a presença de Deus,pois será como a casa construída na areia,Deus é a nossa fortaleza e é nele que temos que construir nosso futuro,Parabéns por suas ricas palavras e que Deus continue te iluminando,pois sabemos que sem ele somos nada,Amém.

Anônimo disse...

"Deus o maior arquiteto do sentimento humano..." Bonito isso isso Ir. André.
Meu endereço é fernanda_elena_@hotmail.com


Paz do Senhor!

Marcia disse...

Olá, a Paz do Senhor, André.

Ao ler este texto veio a mim a seguinte reflexão.
- Como estamos acompanhados?
Se voltarmos ao tempo veremos que a vida sempre foi envolta por escolhas. Este livre arbítrio é real, pode ser observado nos primeiros capítulos do Gênesis. E esta amplitude de opções trouxe-nos frutos por vezes, tempestuosos, decepcionantes e frustrantes.
E, pq isto acontece?
Temos medo... (nasceu um ponte).
A ponte assombrosa é o egoísmo (1 Co 10.24).
É alarmante observarmos a quantidade de pessoas sempre acompanhadas e SOZINHAS. Famílias, onde os pais estão sozinhos, os filhos? sozinhos, as mães? sozinhas e os amigos? sozinhos. E nas igrejas? Irmãos sozinhos. Na realidade falta em cada um de nós uma dose de querer bem, a dose de estar presente, a dose de ouvir, a dose de renunciar-se, doar-se. Finalmente falta amor.
Diante de tudo isto posso afirmar que as relações da sociedade moderna tem-nos levado ao egoísmo desenfreado onde tudo o que nasce esta baseado em interesses dos mais variados levando-nos a um amor promovente de status.
E, assim vamos passando pela vida esperando que a cada manhã - tudo esteja transformado com uma única finalidade demonstrar o meu "eu interior". E, por este motivo as relações quer sejam, conjugais, cordiais, sociais ou até mesmo religiosas tornaram-se verdadeiros campos de batalhas ou de servidão.
Na verdade estamos tão neutros da realidade que vivemos um amor de face - apenas um estado de emoção baseado em palavras e, o verdadeiro sentimento baseia-se em doar-se é um estado de envolvimento(Jo.3.16).
Precisamos realmente refletir em qual estágio nos encontramos (1 Ts.1.3,4). Repensemos o fato real de nossa existência. Queremos um mundo melhor - nos aproximemos mais de nós mesmos.

Abraços em Cristo Jesus.

André Silva disse...

Agradeço aos amados amigos pelos sinceros comentários.
Na verdade, devemos corroborar para que o amor não seja vítima de nossas próprias mãos, de nossas próprias escolhas.

Um grande abraço a todos.
André Silva

Anônimo disse...

Andre,sabemos que hoje vivemos no mundo em que ganhar é preciso e esquecemos que o importante não é vencer todas as batalhas,e sim chegar ao nosso objetivo e termos uma plena felicidade diante de Deus.
As vezes a sociedade nos critica pelos momentos de aflição que nos leva a cometer erros impenssados.
Por isso devemos viver em amor. "o amor tudo sofre,tudo crê,tudo tolera,tudo espera e tudo suporta".(1cor13:7)
Giselly Julianne
Emanuela Maria
Marilia Grasielly

Anônimo disse...

Andre,sabemos que hoje vivemos no mundo em que ganhar é preciso e esquecemos que o importante não é vencer todas as batalhas,e sim chegar ao nosso objetivo e termos uma plena felicidade diante de Deus.
As vezes a sociedade nos critica pelos momentos de aflição que nos leva a cometer erros impenssados.
Por isso devemos viver em amor. "o amor tudo sofre,tudo crê,tudo tolera,tudo espera e tudo suporta".(1cor13:7)
Giselly Julianne
Emanuela Maria
Marilia Grasielly

Faculdade Teológica disse...

Que Deus continue abençoando seu trabalho e nos edificando com seus post Fica Na Paz!!!!
Abs!
Faculdade Teológica

Seminário disse...

Que Deus continue abençoando seu trabalho e nos edificando com seus post Fica Na Paz!!!!
Seminario Internacional Teologico de São Paulo

Anônimo disse...

Ajuda a refletir sobre o nosso comodismo, quando ele fala que Que devemos ajeitar o nosso castelo, e não partir para outro. e que devemos concerta nosso erro sem reclamar.



Josivan Cândido
Tony Arruda
Italo lamartine
3ª A

Anônimo disse...

acreditamos que o texto traz uma realidade bem presente em nossas vidas.pois nos faz refletir melhor sobre nossas escolhas,pois fazer escolhas é fácil o difícil é acertar-las.
AGRADECEMOS A BELA REFLEXÃO QUE NOS PROPORCIONOU!
DE SUAS ALUNAS DO 3°E.M.:IZABELA, DANIELLE ,ELENÍ.

Anônimo disse...

Depois de escolhermos a pessoa com quem compartilharemos os nossos momentos, existirão mais reclamações do que gozo. Geralmente escolhemos mal, para manter o padrão estabelecido pela cultura.

Alunos:carlos eduardo,emerson,jemerson,joão pedro,maria rafaela.

Anônimo disse...

As vezes pensamos que estamos com a pessoa certa , gostamos das mesmas coisas, somos compatíveis, tem o padrão que nós idealizávamos, porém muitas vezes essas pessoas que achamos que são perfeitas para nós, trazem muitas dores, decepções e não tentamos algo fora dos nossos padrões, por medo, preguiça, egoísmo, pois estamos acostumados com tudo pronto e não em construir algo novo.

Anônimo disse...

Acreditamos que o texto é muito interessante por que ele trata da realidade em que vivemos nos dando argumentos para repensarmos nas nossas escolhas amorosas deixando de lado o egoísmo,a vaidade e a busca pela perfeição.É necessário que haja uma reflexão antes de optarmos por alguém para que a felicidade seja construída além daquilo que o corpo pode oferecer.
(Cássia,Suzana,Ruthyane,Eline e Rosemere-3ºA,JCP)

Anônimo disse...

Nesse texto nos mostra a verdadeira realidade de hoje em dia, pois as pessoas só buscam a beleza artificial e não interior que é mais importante.( Renato)

O que se procura achar hoje em dia é o biotipo das pessoas sem se dar valor ao que elas realmente sentem. procurando buscar-se em perfis de curriculum que já são ultrapassados aos dias de hoje
.(Jéssica)