Pesquisar este blog

sábado, 8 de novembro de 2008



Entre rosas e espinhos: Um abraço



Diante de Jesus tudo muda. Coxo andou, cego enxergou, caloteiros ficaram atônitos, prostituta chorou e se converteu, isto se deu pelo simples fato de todos estes conhecerem a Jesus como Ele era, embora, soubessem que suas práticas seriam reprovadas por Cristo, mesmo assim, a beleza de suas palavras desfez as barreiras do encontro com um abraço apertado na alma e diante de tantas enfermidades, psico-morais e físicas, O Mestre queria mesmo era abraçar a alma, toda vez que reencontrava com qualquer filho perdido, sabe por quê?

“Porque o Filho do homem veio [salvar] o que se havia perdido”. (Mt 18.11)

Não era objetivo de Jesus ser a próxima celebridade, entre tantos reis que estavam subindo ao trono, Ele veio salvar, com a sua morte, o que havia perdido no jardim: o homem. Esse mesmo homem que nasceu com o sopro de Suas narinas para ser imitador dEle, logo, “Sede pois [imitadores] de Deus, como filhos amados”. (Ef 5.1)

Por esse aspecto, obvia-se a disparidade existente entre o Jesus que abraça almas e o Jesus que nós apresentamos as pessoas. Um Jesus, castigador, implacável, cheio de poder e que leva o homem ao inferno acaso o evangelizado não queira correr para os braços do Pai.

Ao imitar Cristo, em primeiro lugar iríamos amar mais, ao imitá-lo, iríamos nos convencer que não somos os melhores por estar no caminho certo, ao imitar Jesus sentiríamos a necessidade de ir buscar o que se havia perdido, afinal, não é assim quando se perde alguém que ama? Paramos tudo, choramos, entramos em depressão, sentimos falta do abraço e dos momentos bons e Jesus soube como ninguém deixar essa marca, esse momento bom que, até hoje, nunca se apagou; a palavra certa para limpar nossas feridas, mesmo doendo, foi bom ser tocado por Ele, mas infelizmente as marcas que costumamos deixar nas pessoas são bem diferentes, porque elas doem, deixam cicatrizes, dão tapas sem mão, negligenciam, escanteiam, desprezam.

Se ao menos parássemos para imitar a Cristo e levá-lo às pessoas como Ele é: amoroso, perdoador, benigno, longânime, o Amigo dos amigos, teríamos mais sucesso na salvação das almas, maior objetivo de Jesus, que negligenciamos tanto sufocando o amor oferecido por Ele por costumes culturais que vem afastando tanta gente dos braços dEle, porque nem você gostaria de abraçar alguém que o reprova. Então, abramos os olhos e voltemos a enxergar que diante da prostituta a beira da chuva de pedras que iria receber, Jesus foi o único que tomou partido, mas você tomaria partido por ela? Acolheríamos os novos convertidos que chegam ao nosso meio todo contrário aos nossos conceitos de regras e ética? As estatísticas comprovam que perdemos mais do que ganhamos, pois os necessitados de um abraço na alma, que gostariam de fazer tudo para nascer de novo, foram expulsos dos braços do Pai com apenas um olhar diferenciado, enquanto aqueles que já provaram do abraço do Deus vivo, afastam-se por não querer dar a mão nem um abraço e dizer: como é bom sermos irmãos, mas a dureza do coração embota os sentidos e nos faz ver apenas os defeitos no convertido por um judeu com o samaritano, dando as costas pra ele por costume, quando o próprio Jesus nos mostrou que lá dentro do coração, o samaritano era mais cristão e irmão. (Lc 10.33) Mostramos a todo instante os defeitos, mesmo assim, sabendo que Madalena estava cheia deles, Jesus disse: “Vai e não peques mais”. E aquela mulher sentiu o abraço de um amigo que passou ser intimamente um Pai para ela.

Queridos irmão, imitemos a Cristo em tudo, não só sendo cumpridores de costumes, mas amando e falando do amor dEle, enquanto as mazelas, deixemos para o Espírito Santo cuidar, vamos dar um abraço na alma das pessoas que sentem sede de Deus, mostrando o amor e o cuidado que Jesus tem por ela, deixemos de julgar e fazer da palavra de Deus um prévio tribunal de inquisição, para que lá no céu não tenhamos surpresas e saber que o bom samaritano que tanto julgamos se encontra no céu em nosso lugar. Mostremos as rosas, enquanto aos espinhos, deixemos que a vida se encarregue de mostrar, até porque, o caminho do céu é estreito e evidente e quem quiser continuar com suas mazelas, continue, mas sabendo: para o céu não vai! Porém, mostremos o amor de Cristo, contemos suas parábolas aos que nunca ouviram falar, contamine o outro do amor de Jesus, daí então você verá que o resultado será melhor, teremos novos convertidos mais conscientes de seus papéis enquanto servos, teremos menos cumpridores de regras e mais amantes da palavra de Deus. Por este âmbito, os estranhos passarão a ser irmãos e juntos compartilharemos, nesse caminho estreito e espinhoso, das bênçãos nos braços do Pai, amém!


Até à próxima!

André Silva.


3 comentários:

Graça Souza disse...

Graça e paz!
Continuo desfrutando dos gloriosos encontros com Deus através de ti irmão. Um grande abraço fraterno...
Obrigada por mais esta vez. Graça Souza.

Marcia disse...

Olá querido, a paz.

É surpreendente a forma como o Senhor lhe usa para alcançar tantos objetivos na vida daqueles que por aqui passam.
Que Deus realize em tua vida muito mais.

Marcia.

André Silva disse...

A paz do Senhor, irmã Graça
Perdão, pois não tive tempo de agradecer sua leitura sempe atenta aos meus textos, é um privilégio tê-la aqui.
Infelizmente estou numa correria só: trabalho, contagem regressiva parao casamento, por isso que não estou postando com frequência.

A minha noiva Marcia, um grande abraço.