Pesquisar este blog

sábado, 29 de novembro de 2008

O Pão que o Homem Amassou




No tempo frágil das horas, o mundo avança mais rápido que a velocidade da luz, sem luz, e à medida que suas descobertas são de extrema importância para o campo científico e tecnológico, sua moral decai velozmente igual a um iceberg sobre o mar gelado. A consciência humana anda tão fria que sua pontada de arrependimento, seu grito de alerta já não sente a dor e o peso de suas medidas. Tudo é verdadeiro e permissivo ainda que injusto, tudo é possível mesmo que seja imoral, todas as verdades se fundem numa só, agradando assim a todos, pois o homem, desde o início da história humana, desvinculou-se da verdade, buscando outras verdades e de lá pra cá o que se vê a olho nu, nada mais é que a ruína daqueles que utilizam a sua própria verdade e não a verdade do Criador (Rm 1.18,23). A Bíblia, em pleno século XXI, é apenas um mero livro como outro qualquer, obsoleto e o mundo considera, em parte, sua autenticidade, mas deixa claro que há outras fontes abalizadoras da verdade, há outros livros que também conduz à vida eterna, há outros caminhos, não só estreitos, mas também largos, há atalhos mais interessantes e menos fatigantes, enfim, um peso e duas medidas de tantos homens e mulheres que já foram beneficiados por Jeová Deus em vida, mas que desconsideraram os benefícios recebidos por Ele e hoje começam a comer o pão que suas próprias mãos amassaram: Fome, guerra, doenças estranhas, imoralidade, violência urbana, a falta de amor... Num tempo tão propício para novas descobertas, então por que o homem amassa o pão que Deus o dá? O que faz o homem ser tão insensível ao amor divino?
Nessa direção, o homem grita por socorro, faz passeatas pedindo basta a tanta violência, ao mesmo tempo em que veicula na mídia imagens sangrentas de batalhas intergalácticas nos desenhos infantis, enquanto a família se reúne na sala esperando a novela trazendo artistas com seus corpos seminus, pregoando seu falso e deturpado conceito de ética num clima de romance, o homem clama, sem saber, sabendo que suas próprias mãos, suas próprias decisões causaram tudo isso. O mundo pede paz quando, ao mesmo tempo, programas televisivos exibem com orgulho suas cenas de crime e imoralidade, enquanto o amor, maior tema de Deus, sufocou-se nas pessoas que não conseguem mais respeitar seu próximo. O homem recebeu de Deus todas as virtudes divinas para desenvolvê-las em sociedade e as rejeitou comendo, dessa forma, o pão que ele mesmo amassou. Deus deu a vida aos seus filhos e o homem a tem tirado, Deus deu ao homem um banquete e ele tem estragado, Deus se despiu de sua glória, descendo do céu para habitar entre nós (Fp 2.7), mesmo assim, o mundo o rejeitou (Jo 1.11).
Sendo assim, como recuar diante da ternura? Deus sempre quis colocar o homem nos braços para ninar (Mt 23.37), enquanto o homem preferiu brincar de ser deus, desobedecendo e comendo o fruto do conhecimento, o homem desejou o poder e a serpente se esqueceu de avisá-lo que o poder é desastroso para quem não sabe usá-lo (Gn 3), mas Deus com seu amor inigualável tenta, a todo instante, ressuscitar a imagem caída do pecador, enquanto o homem troca o seu Deus por coisas pequenas no dia a dia. O homem amassa os tantos pães que Deus o dá, talvez sem perceber, percebendo e o final de suas inconstantes descobertas terminará, com certeza, numa só saída: Céu ou inferno e muitos amargarão por ter rejeitado tanto as providências de Deus em suas vidas, amassando e despojando-se também do Pão Principal: Jesus.
Outro ponto interessante pelo qual muitos amassam o pão que Deus os dá, provém da não manifestação do Espírito Santo na vida das pessoas através de seus frutos, “pelo fruto conhecereis a árvore”, dessa forma, como pode o homem agradar a Deus se este não tem:
v Uma vida permanente em Cristo (Jo 15.5);
v Se não ama a Jesus como seu único e Suficiente Salvador (Mt 10.37,38);
v Se não ama ao seu irmão (1Jo 4.20);
v Se não tem um bom relacionamento com o Criador (Tg 4.4);
v Se não andam em harmonia com a Bíblia (Mt 5.14-16);
v Se não leva uma vida de santificação (Hb 12.14; I Pe. 1.15,16);
v Se não tem paz com Deus e com o mundo (Rm 5.1; Hb 12.14a);
v Se não é paciente ou longânimo (Gl 5.22);
v Se não serve ao próximo (Jo 13.15,16,17);
v Se não é fiel a Deus (1Tm 1.12);
v Se não é manso e obediente (Mt 11.28-30);
v Se não busca os dons espirituais (1Co 14.1);
v Se não busca conversar com o seu Criador, apenas barganhar com Ele (Mt 6.5,7);
v Se não busca aprender e apreender de Jesus na e pela sua inesgotável Palavra (Mt 22.29; Jo 5.39);
v Se procura estabelecer sua maneira de adorar a Deus (Mt 19.16-23).

Dessa forma, qualquer cristão amassará seu próprio pão sem perceber, percebendo, pois “não é assim que faziam e fazem os gentios?”


Até à próxima!
André Silva

2 comentários:

Graça Souza disse...

A paz do Senhor.
O que nos faz diferentes uns dos outros? Simplesmente a fé que temos em nosso coração. O conhecimento de Deus e o desejo de buscá-Lo e serví-Lo nos torna pessoas de grande coração e de temor. Deus tem agido assim na vida daquelea que tem entregue as suas próprias vidas nas mãos do Supremo Criador. O resultado? Esse:transmitr sempre uma palavra inspirada pelo espírito Santo. Assim, Deus o abençoe sempre, e muito mais agora quando ñ serão mais dois e sim uma só carne pois O grande prazer de Deus pra o crente é que o mesmo possa serví-Lo em família.Nós seus leitores, esperamos que mesmo após o casamento, o irmão queira nos agraciar com leituras espirituais e verdadeiras. Deus em Cristo vos abençoe. Obrigada por mais esta vez. Graça Souza

André Silva disse...

Paz, irmã Graça!
Essa vitória de Deus tem sido uma conquista de lágrimas e suor e misericórdias dEle.
Motivo também pelo qual, além das ocupaçoes tenho escrito pouco.
Mesmo assim, garanto que estarei sempre mandando um texto vindo Dele, pois além de vocês, eu também me alimento.
Obrigando por tudo, continuem em oração você e sua familia.
Em Cristo,
André Silva